Advertisement

Header Ads

Explicando a ressureição dos justos e a dos ímpios.





 A doutrina da ressureição se baseia essencialmente sobre o fato da ressurreição de Cristo. Jesus enfatizou e deu um sentido especial a essa doutrina (Jo 5.28,29), deixando claro que não haverá uma única, geral e simultânea ressureição para os mortos, e sim, que acontecerá em duas fazes distintas: a ressurreição dos justos e a dos ímpios.

1.  O que é ressurreição?

No sentido original, duas palavras gregas (anastasis e egeiró) definem o termo ressurreição. Elas claramente indicam “tornar à vida”, “levantar-se”, “erguer-se”, “despertar”, “acordar”. Já no sentido doutrinário ressurreição é a outorga da vida ao que havia se extinguido fisicamente. É o ato do levantamento daquilo que havia estado no sepulcro.

2. A primeira ressurreição.

Quanto ao tempo. Divide-se em três fases distintas. [1] -  A primeira fase refere-se à ressurreição de Cristo e dos muitos santos do Antigo Testamento, identificados como as “primícias dos mortos”. Leia (Mt 27.51-53 e 1 Co 15.20), Jesus e aqueles santos ressurretos são o primeiro molho de trigo colhido. Leia (Lv 23.10-12; 1 Co 15.23). Jesus foi o grão de trigo que caiu na terra, morreu, e produziu muito fruto (Jo 12.24). [2] - A segunda fase da primeira ressureição, refere-se a ressureição dos mortos em Cristo. A qual se efetuará no chamamento especial por ocasião da volta do Senhor Jesus sobre as nuvens dos céu ( 1 Co 15.51,52; 1 Ts 4.14-17), ou seja, na ocasião do arrebatamento da Igreja. [3] – A terceira fase da primeira ressureição refere-se àqueles mortos no período da Grande Tribulação, os quais são chamados de “mártires da Grande Tribulação”. Refere-se ao restolho da ceifa, isto é, as espigas da colheita (Ap 7.9-17; Ap 20.4,5).

Apocalipse 20:4-5

E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos.
 

3. A segunda ressureição.

Quanto ao tempo. Já sabemos que Jesus distinguiu duas ressureições: a dos justos e a dos ímpios (Leia: Jo 5.28,29). Alguns interpretes entendem a ressureição dos mortos como um só evento, num mesmo tempo. Declaram que a única distinção é que “uns ressuscitaram para a vida” e outros “ para a perdição”. Entretanto, essa teoria é largamente refutada. Na verdade, o tempo da segunda ressurreição acontecerá no final de todas as coisas, após o período do Milênio na Terra, quando haverá o Juízo Final diante do Grande Trono Branco:
                                                                [Apocalipse 20:5]
Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição

                                                               [Apocalipse 20:11-13]
E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras.

Na verdade, os ímpios ressuscitaram para uma “segunda morte”. Leia:

E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo. (Apocalipse 20:14-15)

Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos que se prostituem, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte. (Apocalipse 21:8)
 

Essa segunda morte, não significa aniquilamento, mas que os ímpios estarão afastados, banidos para sempre da presença de Deus. Esse banimento implica que todos os ímpios serão lançados no lago de fogo, que arde continuamente com fogo inapagável - o tormento eterno. Tire suas conclusões lendo os versículos abaixo:

Com labaredas de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo; Os quais, por castigo, padecerão eterna perdição, longe da face do Senhor e da glória do seu poder.

[Mateus 25:41]

Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.

E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.

                                                                      [Mateus 25:46]

E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.

 

A esperança da Igreja, porém, está baseada na ressureição de Cristo. Sua morte e ressureição são a garantia total de que Ele voltará. Sua vitória sobre a morte foi com glória, triunfo e poder.

 

 

Referências:

[1] Bíblia Sagrada.

[2] Lições Bíblicas CPAD – Jovens e Adultos. 3º Trimestre de 1998. Escatologia: O Estudo das Ultimas Coisas. Comentário: Elienai Cabral.   





  

Faça sua inscrição no blog Creio no Evangelho

Receba as atualizações do blog Creio no Evangelho! Digite seu email aqui...

Postar um comentário

0 Comentários