Advertisement

Header Ads

O Islã é uma religião de paz?


Pelo menos 34 pessoas foram mortas em atentados no aeroporto Zaventem e da estação de metro Maelbeek na Bélgica, outro ataque terrorista - desta vez no aeroporto de Bruxelas e metrô. Tais atos refletem o mesmo padrão de agressão que tipifica ISIS em todas as suas atividades. A multidão do politicamente correto continua a afirmar que "o Islã é uma religião de paz, e tal comportamento não representa o verdadeiro Islã." Mas segundo o Doutor Ph.D. Dave Miller autor de vários artigos para o site americano apologeticspress, a verdade é que esta é uma descrição imprecisa, indesculpável e incrivelmente bizarra tendo em vista os longos 1.400 anos de história do Islam em todo o mundo.
Para Miller, está na moda se referir aos terroristas como "extremistas" e "radicais" e que eles não representam o verdadeiro Islã e o Alcorão. Eles são caracterizados como sendo culpados de abraçar uma interpretação "literal" do Alcorão. O Doutor ressalta ainda que esta alegação não exclui o fato de que os textos corânicos defendem a violência e morte como meios para o avanço do Islam e os mesmos são claramente literais e têm sido tomados pela grande maioria dos estudiosos islâmicos nos últimos 1.400 anos.
O Dr. Nabeel Qureshi deu sua apinião ao no site http://www.usatoday.com/ onde declara: 
Com os muçulmanos crescendo nos Estados Unidos, eu fui ensinado pelos meus irmãos e a comunidade em torno de mim que o Islã é uma religião de paz. No entanto, quando comecei a investigar o Corão e as tradições da vida de Muhammad na faculdade, eu descobri, para minha surpresa genuína que as páginas da história islâmica estão cheias de violência. Como eu poderia conciliar isso com o que eu sempre tinha sido ensinado sobre o Islã?
 O Dr Miller afirma que o próprio Alcorão é cheio de advertências para os muçulmanos a cometer precisamente ações violentas e derramamento de sangue sendo cometidos pelos terroristas islâmicos. A Surata 47: 4 a partir da tradução celebrada pelo estudioso muçulmano Mohammed Pickthall afirma:
Surata 47 Ora, quando vós, conhecê em batalha os incrédulos, então é ferir dos pescoços, até que, quando vos ter encaminhado-os, em seguida, fazendo jejum de títulos; e depois quer graça ou resgate até a guerra depor suas cargas. Que (é a ordenança). se Deus quisesse Ele poderia ter punido eles (sem você), mas (assim está ordenado) que Ele pode tentar alguns de vocês por meio dos outros. E aqueles que foram mortos pela causa de Deus, Ele não dá o suas ações vão. Obs: Tradução google.

Agora leia a nota da wikipedia sobre Surata 47:4

Muhammad “Maomé”é a quadragésima sétima sura do Alcorão e tem 38 ayats. A sura ordena os fiéis a obedecer a Maomé e não rejeitar qualquer parte do que ele tenha revelado. Ordena também "ferir" e "subjugar" os “infiéis” na batalha. Este ayat é muitas vezes utilizado contra os muçulmanos, pois segundo seus opositores isso descreve a fé islâmica como violenta. Os muçulmanos alegam que este ayat não deve ser entendido fora do contexto, que a poesia remete à Batalha de Badr, onde os moradores de Meca reuniram um exército para atacar Medina, e que o verso simplesmente ordenara para que eles se defendessem desta ameaça.

Miller acrescenta que ninguém deve ficar perplexo ou surpreendido pela prática incessante de decapitações pelo ISIS e todos os terroristas, que estão em uma guerra perpétua com a cristandade. A advertência para decapitar outros vem direto do Alcorão (cf. Sura 8:12). Abdullah Yusuf Ali faz o seguinte comentário sobre esta passagem em sua amplamente respeitável tradução muçulmana:
Alcorão 8:12 - "Vou lançar o terror nos corações dos incrédulos. Portanto cortar suas cabeças e atacar fora de cada dedo deles”
Creio que nenhuma pessoa razoável pensante e equilibrada iria interpretar isso como significando uma luta espiritual.

Muitos outros versos no Alcorão abertamente endossa conflitos armados e guerra para avançar o Islam (por exemplo, Sura 2: 190ff .; 8: 39ff .; 9: 1-5,29; 22:39; 61: 4; 4: 101-104 ). O Islam finaliza Miller, está em contraste gritante com a religião de Jesus que nunca uma vez tomou a espada ou incentivou qualquer outra pessoa a fazê-lo. A única vez que um de seus seguidores mais próximos tomou a si a fazê-lo, o discípulo foi sonoramente repreendido e ordenado a largar a espada, com o aviso acrescentou: "todos os que tomarem a espada perecerão pela espada" (Mateus 26 : 52).

Fontes

http://apologeticspress.org/APContent.aspx?category=8&article=491

http://www.usatoday.com/story/opinion/2016/03/22/radicalization-isil-islam-sacred-texts-literal-interpretation-column/81808560/

Staff CNBC.com (2016), "Os ataques Bélgica Terror: uma cobertura completa," CNBC ,http://www.cnbc.com/2016/03/22/the-belgium-terror-attacks-complete-coverage.html .
Nabeel Qureshi (2016), "O Papel do Alcorão mortal na inspiração belga Slaughter: Coluna",EUA Hoje , março 22, http://www.usatoday.com/story/opinion/2016/03/22/radicalization-isil-islam-sacred-texts-literal-interpretation-column/81808560/ .

Faça sua inscrição no blog Creio no Evangelho

Receba as atualizações do blog Creio no Evangelho! Digite seu email aqui...

Postar um comentário

0 Comentários