Advertisement

Header Ads

Casamento duradouro. Dois pontos que fazem toda a diferença.


     


Casar é uma decisão que exige maturidade e sentimentos verdadeiros de ambas as partes. Todo casamento em algum momento passará por adversidades, não tem como se livrar delas, o que podemos fazer é encontrar um meio para que elas se tornem pequenas durante a vida a dois. Muitas pessoas se perguntam o que torna o casamento um ato duradouro e o que realmente pode unir um casal? Para a psicóloga Mayara Ribeiro Dotta, a resposta apesar de simples não é facilmente colocada em prática.

      Segundo Mayara, o dia a dia é capaz de edificar um casamento ou acabar com ele. Por isso, é importante dedicar-se à outra pessoa. O que realmente une um casal é a boa convivência, a fé no melhor e a vontade de querer sempre o bem do outro, e contribuir para isso.  

1. Vivendo um para o outro.

     Uma vez que a condição de casado, é totalmente oposta à de solteiro, priorizar o relacionamento e fazer de tudo para sempre proporcionar o melhor ao cônjuge é uma excelente forma de consolidar a convivência a dois. Não é difícil perceber que o solteiro vive para si, prioriza as suas próprias necessidades e faz o seu próprio tempo. O casado (a), por outro lado, tem que compartilhar tudo em sua vida com a sua companheira (o).  Ele (a) não poderá viver para si, mas, para ela (ele).

   A Bíblia ensina:
        Mas o [homem] que é casado cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à mulher. A [mulher] casada cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido. (1 Co 7.33-34)

       É possível perceber pelo ensino de Paulo que um casal deve viver um para o outro. Possivelmente, é a negligência desse ensino que faz muitos casamentos não serem duradouros. Aqui, cabe aquele ditado popular – quem ama cuida! Com certeza, quem vive para o outro, cuidará muito bem do seu amor.

Pulo escreveu:
   O homem deve amar a sua esposa assim como ama o seu próprio corpo. O homem que ama a sua esposa ama a si mesmo.  Porque ninguém odeia o seu próprio corpo. Pelo contrário, cada um alimenta e cuida do seu corpo, como Cristo faz com a Igreja (Ef 5.28-29).

       É impossível existir um casamento duradouro se os cônjuges não viverem um para o outro, pois, quando se casam, não serão mais dois e, sim um só. Logo, como o corpo é um só, o que se faz para um, está automaticamente sendo feito ao outro, seja, bem ou mal. 

Assim está escrito:


   É por isso que o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua esposa, e os dois se tornam uma só pessoa. (Ef 5.31)


       A união é feita pelos momentos construídos juntos, cada olhar, conversas verdadeiras e sinceras, risadas ou qualquer outra situação positiva que possa ajudar no convívio. “É amar, compartilhar, ajudar e estar perto”.

2. Vivendo os dois para Deus.

      Outro ponto forte que certamente contribui para um casamento duradouro é o relacionamento pessoal de cada cônjuge com Deus. Eu costumo afirmar que o relacionamento mais firme e duradouro de todos é aquele à três – Você, Deus e a sua (seu) esposa (o) – Um cordão de três dobras não arrebenta facilmente (Ec 4.12).  Se os cônjuges conhecem a Deus e têm um relacionamento pessoal com Ele. Eles vão se esforçar para viver uma vida conjugal edificada sobre os princípios da Palavra de Deus. Existirá no meio deles, o temor do SENHOR.    Uma vez uma esposa conversando com sua colega a respeito do seu marido, deu o seguinte depoimento:


``Creio que meu esposo não me trai – porque antes de ele me amar ele ama o SENHOR``. Disse ela.

        O depoimento dessa esposa, mostra que a única condição para ocorrer um adultério da parte do seu marido, seria ele deixar de amar o SENHOR. Em outras palavras, se o relacionamento com Deus for cessado, o elo que une perfeitamente o casal será quebrado. Quem ama o SENHOR e vive para Ele, não cometerá adultério. Se cometer é porque se desligou do SENHOR em algum momento.

        Esse ponto de vista, não é aplicável apenas ao adultério, mas em todas as áreas da vida conjugal. É um princípio universal e imutável. Jesus ensinouAmarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento (Mt 22:37). Qual é a consequência de alguém amar a Deus? A resposta vem logo a seguir: Amar ao próximo como a si mesmo (Mt 22:39). 

      Onde existe amor, não haverá rompimento de alianças. É, bem verdade, que muitas das vezes, a convivência do dia a dia torna-se difícil e quase insuportável. Somos seres humanos e, por isso, falhos. Mas, se nesses momentos buscarmos a direção do SENHOR Ele irá nos orientar e nos ensinar a vivermos segundo a perspectiva dos seus princípios e ensinos.  Assim, quando ficarmos irado Ele nos lembrará – Irai-vos e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira (Ef 4.26).

      Eu poderia citar aqui muitas situações de conflitos familiares que poderiam ser resolvidos se vivêssemos para Deus, mas a postagem ficaria enorme. Creio que a essência de como ter um casamento duradouro segundo a minha visão, está bem explicada. Creio também que na prática é bem mais difícil. Mas reafirmo que esse é rumo que todos os casais que querem ter um casamento duradouro devem seguir. Essa é a lógica - vivam um para o outro e os dois para Deus. ISSO FARÁ COM QUE O SEU CASAMENTO SEJA DURADOURO. As dificuldades existirão, mas elas não serão suficientes para romper o cordão de três nós –Você, Deus e a sua (seu) esposa (o).

Faça sua inscrição no blog Creio no Evangelho

Receba as atualizações do blog Creio no Evangelho! Digite seu email aqui...

Postar um comentário

0 Comentários